Laser no tratamento da queda capilar

Em si, recordaremos conceitos básicos sobre LASER “Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation” que quer dizer: “amplificação da luz por emissão estimulada de radiação”. Ao contrário da luz solar e da luz incandescente que são caóticas e emitem radiação em todas as direções, a luz laser tem características diferentes sendo coerente, monocromática, colimada, e concentrada, de alta intensidade, podendo ser direcionada com grande precisão ao tecido alvo.

Os efeitos terapêuticos do laser variam em função do comprimento de onda; da duração do pulso, do tamanho, tipo e profundidade do alvo; e interação entre a luz emitida pelo laser e o alvo determinado.

O uso da laserterapia foi um importante passo frente ao desenvolvimento tecnológico da terapia de luz. Ultimamente, um grande número de novos dispositivos foi criado especificamente para melhorar e ajudar o campo da medicina estética e fisioterapia dermatofuncional. Com uma janela terapêutica extremamente ampla, neste momento trataremos especificamente sobre Laser Erbium-Yag 1064 nm.

O folículo capilar guarda um conjunto de células que se multiplicam e dão origem à estrutura do fio, composto de queratina e dividido em três camadas: medula, córtex e cutícula.

Os fios passam por ciclos repetitivos compostos por três fases, anágena, fase em que acontece o crescimento ativo do cabelo e multiplicação das células do bulge. Fase catágena, quando o fio não desprendeu do couro cabeludo ainda, porém, já se destacou da papila capilar, sendo uma transição do fio.

E fase telógena, fase de repouso e queda natural do fio. De vez em quando pode acontecer uma dessincronia entre estas fases, resultando em maior queda de cabelo ou dificuldades no crescimento.

Destacando as formas mais comuns de perda de cabelo, encontram-se a alopécia androgenética, que é uma forma de queda de cabelo geneticamente determinada, comum nas pessoas a partir dos 40 e 50 anos. Normalmente desenvolvendo-se na adolescência, quando o estímulo hormonal é mais evidente e faz com que, em cada ciclo do cabelo, os fios venham progressivamente mais finos.

Alopécia areata, doença inflamatória que provoca a queda de cabelo, existem fatores envolvidos no seu desenvolvimento, como a genética e a participação autoimune, os fios começam a cair resultando frequentemente em falhas circulares.

Fatores emocionais, traumas físicos e quadros infecciosos podem desencadear ou agravar o quadro, não significa que o cabelo não possa crescer novamente, mesmo que haja perda total, isto ocorre porque a doença não destrói os folículos pilosos, apenas os mantêm inativos pela inflamação. E também o eflúvio telógeno, condição que se caracteriza pelo aumento da queda diária de fios de cabelo. Seu aumento é visto principalmente no momento em que se lava ou penteia os fios.

A aplicação do laser pode ser utilizada de forma independente ou em associação com manipulados orais, shampoo e tônicos específicos, e tratamentos como plasma rico em plaquetas (PRP), que consiste em uma alta concentração de plaquetas em um volume de plasma contendo muitos fatores de crescimento e ainda intradermoterapia capilar. A ação do laser se dá pela fotobiomodulação e criação de micro canais no couro cabeludo, melhorando a circulação sanguínea e oxigenação deste tecido alvo, modulando, corrigindo e equilibrando as funções metabólicas que foram alteradas nas células capilares.

O tratamento se dá em médio/longo prazo, sendo necessário avaliação prévia de cada caso e definir exatamente a causa. Normalmente com sessões mensais, que variam de uma hora a uma hora e meia. As indicações podem variar em número de sessões, mas normalmente entre 8 a 10 sessões. A aplicação é extremamente suportável, com o auxílio de máquina de resfriamento de ar, direcionada no local de aplicação para maior conforto do paciente.

Com base em várias pesquisas, estudos científicos e experiencia de aplicação, é possível afirmar, que o tratamento de estímulo capilar através do laser é extremante satisfatório, sendo capaz de estimular o crescimento do cabelo em homens e mulheres.

Declarações

’’No começo do ano meu cabelo começou a cair mais do que de costume. A princípio não liguei, mas depois fui vendo meu cabelo ficar menos volumoso, principalmente na parte frontal. Foi aí que procurei o laser capilar. Achei que valia a pena tentar um tratamento novo e não invasivo. Já fiz 2 sessões e a queda melhorou bastante. Sei que os resultados são mais há longo prazo, pois depende de os fios voltarem a crescer. Porém, já estou feliz que a queda capilar tenha diminuído.”

R.S.S

‘’Passei pelo procedimento de laser capilar, o resultado foi visível no primeiro mês, quando observei novos fios sendo formados na região onde não nascia mais cabelo devido à queda. Minha queixa principal era a nuca e as entradas frontais, acima da testa. É um pouco incômodo devido a mistura de calor e frio, mas o resultado compensa!”

T.C.S.P

‘’Há anos venho fazendo tratamentos capilar, meu cabelo era fino e ralo, com as sessões de laser percebi rapidamente que os fios ficaram mais espessos e começaram a nascer vários fiozinhos fechando espaços onde havia pouco cabelo. Devido ao jato de vento gelado sendo direcionado no local onde o laser é aplicado não dá para sentir o calor, existe um desconforto mas suportável.”

M.H.C

DRA. ESTELA FRANZON

Fisioterapeuta Dermatofuncional - Clínica Nautilus.


Post Anterior10 dicas para cuidar bem da pele
Próximo Post Conceitos fisiológicos e tratamentos de estrias cutâneas